SALA DE EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

LUÍS STOFFEL. A ARTE DA CHAPELARIA.

de 21 de maio de 2022 a 30 de abril de 2023

inauguração :: 21 de maio de 2022 | 17h30

encerramento :: 30 de abril de 2023

 

A sala de exposições temporárias do Museu da Chapelaria apresenta, pela primeira vez, a coleção de um criador de chapéus nacional, Luís Stoffel.
Terá sido no Teatro de Revista, enquanto figurinista e aderecista, que descobriu a sua verdadeira paixão: a chapelaria. 
Inevitavelmente, o poder dramático das suas criações acabou por conquistar uma das personalidades mais reconhecidas do Teatro de Revista português, Filipe La Féria. 
Nesta exposição são apresentadas 77 peças, atemporais, que se distinguem e distanciam, das produzidas atualmente pelo mundo descartável da fast fashion.
São chapéus, toucados, fascinators e acessórios de cabeça esculturais, alguns criados especificamente para esta exposição e outros que irão integrar o acervo do museu. São também máscaras. Porque a pandemia por COVID-19 ditou o encerramento das salas de espetáculo. Quando “a cortina se fechou” e o mundo entrou em confinamento, Luís Stoffel encontrou um novo objeto de criação, a máscara, onde aplicou as suas habilidades artesanais, intrínsecas à arte da chapelaria.
Apresenta-se, deste modo, pela primeira vez em Portugal, no grande espaço de exposições temporárias do Museu da Chapelaria, uma coleção única, onde o acessório de moda e o objeto de arte se confundem. Uma fronteira imprecisa que se deve, essencialmente, aos materiais utilizados, ao acabamento meticuloso e requintado de cada uma das suas criações, ao uso de técnicas de alta-costura e a uma excecional criatividade.
EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

FRANCESCO BALLESTRAZZI. NÃO É SÓ UM CONTO DE FADAS.

de 11 de outubro de 2021 a 1 de maio de 2022

inauguração :: 11 de outubro de 2021

encerramento :: 1 de maio de 2022

 

Com a exposição “Francesco Ballestrazzi. Não é Só Um Conto de Fadas”, Portugal acolhe, pela primeira vez, o trabalho de um dos mais originais e talentosos criadores de chapéus da atualidade.

Francesco Ballestrazzi nasceu em Carpi, uma comuna (concelho) da região de Emília-Romanha, Itália, reconhecida pela herança cultural e beleza das paisagens naturais, elementos que tiveram grande influência no desenvolvimento

da personalidade e sensibilidade deste criador. Em Milão, onde vive e trabalha, frequentou a Academia de Belas Artes de Brera, após a qual, iniciou a sua carreira profissional, primeiro como ilustrador de livros infantis, depois com uma fugaz experiência no mundo da dança, e entrando, por último, no mundo da moda. As colaborações com grandes criadores e marcas de moda, como Alexander McQueen ou Moschino, trouxeram-lhe um conhecimento e experiência renovados, a que somou uma maior liberdade criativa.

Procurando fazer uma viagem de descoberta ao seu “Eu” criativo, em 2011, Francesco Ballestrazzi lançou a marca Francesco Ballestrazzi Hats & Creations, com a qual começou a dar forma a “expressões visuais” dos seus sonhos e inspirações.

Francesco Ballestrazzi cria para si e para o mundo.

Dividida em 10 coleções diferentes e apresentando 72 peças, produzidas entre 2013 e 2021, a exposição “Não é Só Um Conto de Fadas” convida-nos a embarcar numa viagem de sonho e fantasia aos universos alternativos de Francesco Ballestrazzi.

DONNA HARTLEY MILLINERY

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

 
inauguração :: 11 de outubro de 2020
NOVA DATA DE ENCERRAMENTO :: 19 de setembro de 2021
 
“Donna Hartley Millinery. Um toque de elegância” é a nova exposição temporária internacional do Museu da Chapelaria.
A marca Donna Hartley Millinery surgiu em maio de 2015, nascida da profunda amizade entre uma designer de chapéus e uma artista plástica.
À perícia de Donna Hartley pelo desenho e fabrico tradicional de chapéus e toucados, associa-se a exuberância criativa e o olhar artístico de Joanne Jones.
As peças Donna Hartley Millinery combinam, na perfeição, um delicado equilíbrio entre o estilo chic parisience, a extravagância espanhola e o requinte britânico apresentando-se com um estilo único para qualquer ocasião.
EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

MARIANNE JONGKIND. 55 ANOS DE CHAPÉUS DE ALTA-COSTURA

inauguração :: 11 de outubro 2019

encerramento :: 13 de setembro 2020

 

Marianne Jongkind considera-se uma perfecionista que não descansa enquanto não consegue recriar fielmente a peça que idealizou mentalmente. Isto porque Marianne não descansa até os seus esboços ficarem perfeitos. A sua mente é o caderno de esboços e os seus olhos o catálogo onde conjuga, com grande mestria, uma grande paleta de cores com os melhores materiais. As suas mãos, as ferramentas do rigor e perfeição que tanto a caracterizam e dão vida aos mais belíssimos e extravagantes chapéus e toucados. Dona de um estilo muito peculiar, Marianne Jongkind destaca-se pelo uso de linhas elegantes e formas excentricamente volumosas e quase geométricas que remetem para uma das suas fontes de inspiração prediletas: a arquitetura. Marianne Jongkind. 50 Chapéus de Alta-Costura é, assim, o ponto de partida para a construção de uma exposição biográfica única que se apresentará, pela primeira vez, no Museu da Chapelaria e em Portugal.

 

SOBRE MARIANNE JONGKIND | Marianne Jongkind começa a trabalhar na chapelaria aos 16 anos. De 1961 a 1966 aprofunda a sua formação profissional em diversos ateliers de chapelaria em Amesterdão. Contrariando a crescente tendência do desuso do chapéu, em 1967 abre o seu atelier e dedica-se à produção de chapéus e toucados para clientes particulares, lojas de noiva e peças de teatro. Em 1985, pertencendo a clube restrito de chapeleiras especializadas no fabrico tradicional de chapéus, Marianne aposta na formação de jovens. Paralelamente, estreia-se na produção de peças para uma nova geração de jovens designers de Alta-costura como Frank Govers, Edgar Vos, Truus Stuiver of Cappello, Frans Molenaar, Mart Visser, Frans Hoogendoorn, Ronald Kolk ou Monique Colignon. Em 2002, a rainha Beatriz da Holanda nomeia-a Cavaleira da Ordem de Orange–Nassau em reconhecimento do seu importante contributo para o desenvolvimento da chapelaria na Holanda. Marianne Jongkind continua a trabalhar para a Alta-costura colaborando, desde 2016 e em exclusivo com Ronald van der Kemp e os seus desfiles de moda em Paris. Do seu currículo destaca-se, ainda, a criação de chapéus para a família real holandesa, em particular, para a princesa Laurentina e princesa Irene. As suas peças integram regularmente exposições coletivas e individuais, nacionais e internacionais.

araceli sancho

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

inauguração :: 18 de maio 2019

encerramento :: 29 de setembro 2019

 

Inserida no ciclo de programação do Museu da Chapelaria para 2019, intitulado “Criar entre Mundos. Da Cabeça aos pés”, esta exposição temporária traz pela primeira vez a Portugal, Araceli Sancho, uma designer de chapéus valenciana, com atelier na pequena cidade de Teruel.

Multidisciplinar por natureza, Araceli Sancho atua em áreas concecionais distintas que passam pelas recriações históricas, pelas artes visuais e cénicas e, naturalmente, pela moda e design. O reconhecimento internacional enquanto mestre chapeleira surge da combinação da sua paixão pela moda e desenho criativo, força motriz da criatividade de Araceli Sancho, com o domínio exemplar das técnicas de fabrico tradicional de chapéus. 

ESTIBALITZ DIAZ DE DURANA

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

inauguração :: 11 de outubro 2018

encerramento :: 28 de abril 2019

 

Estibalitz Diaz de Durana é uma designer de chapéus de Bilbao, Espanha, que sempre se sentiu fascinada pelo brilho e toque dos tecidos. 
As suas peças, intensas e cheias de força, destacam-se pela riqueza e luxúria dos materiais e acessórios usados, pela força e intensidade dos temas retratados e por uma peculiar estética surrealista. “Estibalitz Diaz de Durana. Entre chapéus e sonhos” apresenta o universo onírico que compõe a obra desta original designer e que a faz destacar-se no mundo da moda.

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

HARVY SANTOS. OITO ESTAÇÕES.

inauguração :: 08 de abril 2018

encerramento :: 23 de setembro 2018

 

Harvy Santos é um jovem designer de chapéus e toucados que vive, atualmente, em Londres. Nascido nas Filipinas, é influenciado por várias dinâmicas culturais e religiosas, como as fervorosas e tradicionais procissões Marianas, que acabam por ditar a sua forma de ser e de ver o mundo. Mas a alta-costura, a cultura Pop, o Punk Rock ou o universo das Drag Queens, são também elementos inspiradores, que Harvy Santos funde com os elementos tradicionais da sua cultura de origem. As suas peças combinam uma beleza requintada com uma teatralidade fresca e atrevida e, com elas, Harvy Santos é hoje apontado como um dos mais promissores designers de chapéus da atualidade.

Com esta exposição, Portugal recebe pela primeira vez o trabalho excecionalmente criativo deste designer. Dividida em 8 coleções diferentes, a exposição apresenta 81 chapéus de Harvy Santos, produzidos entre 2013 e 2017.

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

inauguração :: 15 de outubro 2017

encerramento :: 31 de março 2018

 

Maor Zabar é um designer de chapéus israelita cujas peças se destacam pela originalidade e excentricidade e que tomam por principal fonte de inspiração a sua história de vida e experiência pessoal enquanto estilista de moda e designer de figurinos para o teatro. Cada chapéu e cobertura de cabeça, feita em feltro, linho natural ou delicadas sedas, é cuidadosamente trabalhado, costurado e artisticamente pintado à mão para dar origem ao que Maor Zabar chama de “Criação Perfeita”. Insetos, flores, comida, brinquedos ou contos populares são apenas algumas das suas coleções e cada uma delas assume estilos e facetas amplas que vão do realismo à paródia. E quem os usa tem a certeza de que, com uma pitada de humor, se sentirá glamoroso.

Tocados por Pablo y Mayaya

Tocados por Pablo Y Mayaya

inauguração :: 20 de maio 2017

encerramento :: 24 de setembro 2017

 

”Pablo Y Mayaya” é a marca do famoso duo de chapeleiros espanhóis composto por Pablo Merino e Mayaya Cebrián. Partilhando uma visão onde a tradição se alia à modernidade, Pablo e Mayaya dedicam-se à criação e personalização de belíssimos chapéus e toucados garantindo que cada peça recebe um pouco da sua alma. Os seus chapéus já percorreram o mundo e adornaram muitas cabeças entre as quais a da rainha Letizia de Espanha que é uma das clientes habituais de Pablo Y Mayaya. Com esta exposição, o Museu da Chapelaria pretende fazer uma retrospetiva desta fantástica marca de chapéus e da carreira dos seus criadores.